Boato sobre massacre em colégio causa pânico em Poços de Caldas. Foto de Roni Bispo

Matéria extraída do site Poços.com por Roni Bispo

Um boato de que um massacre seria realizado na manhã desta segunda-feira, 27, no Colégio Municipal Dr. José Vargas de Souza, em Poços de Caldas, causou pânico entre os pais, principalmente na noite deste domingo, depois que mensagens sobre o assunto viralizaram nas redes sociais. Com medo, apenas 20% dos alunos do período da manhã foram à aula hoje.

De acordo com o comandante do 1º Pelotão do 29º Batalhão de Polícia Militar, Samuel Ferreira Mendes, desde ontem a agência de inteligência da PM vem monitorando as redes sociais na tentativa de identificar a origem dos boatos. “Desde ontem à noite já tínhamos a ciência de quem lançou estes boatos nas redes sociais, passamos a monitorar a família para verificar a veracidade dos fatos e ficou constatado que não passava de boato, porém tudo ainda está sendo investigado para que as providências sejam tomadas em relação ao caso”, disse o tenente.

Ao tomar conhecimento do boato, a diretora da escola, Ângela Maria de Castro Borba, foi até a instituição na noite deste domingo para localizar a documentação do aluno tido como principal suspeito das ameaças. O assunto se espalhou entre os demais estudantes e ganhou grandes proporções, assustando muitas famílias que começaram a ligar para a diretora.

Após identificar o aluno, a direção entrou em contato com os pais dele e acionou a Polícia Militar e a Secretaria Municipal de Educação. Na manhã desta segunda-feira, os 200 alunos que compareceram ao colégio foram recepcionados por equipes da PM e da Guarda Municipal.

Hoje pela manhã, os pais do aluno se reuniram com a diretora para que fossem tomadas providências sobre o caso. De acordo com a diretora, o caso foi registrado em ata e será feito um boletim de ocorrência, já que podem existir outros alunos envolvidos. Ainda segundo a diretora, a família manifestou vontade de retirar o aluno do colégio. “Pelo que apuramos tudo não passou de uma brincadeira de mau gosto, porém causou um grande transtorno, assustando a comunidade escolar. Apesar de ser uma brincadeira de mau gosto, não podemos desprezar esta conduta, os motivos desta brincadeira, a história de vida de cada um destes alunos envolvidos. Por isso, vamos chamar outros pais para conversar sobre isso e tomar todas as providências possíveis”, destacou a diretora.

Ainda de acordo com a gestora, mesmo com os pais se antecipando em dizer que o aluno sairá do colégio, o caso será analisado, de acordo com as questões legais e também para comprovar a atuação do aluno no caso. A diretora solicitou aos pais que o aluno fosse acompanhado por um psicólogo.

O Colégio Municipal tem 2.300 alunos na educação infantil, fundamental e no ensino médio. Ao longo do dia, as equipes da PM e da Guarda Civil Municipal vão permanecer na parte interna da escola para garantir a segurança. “Precisamos sim tranquilizar os pais. Independente desses comentários, os pais precisam trazer os filhos para a escola e é importante que eles tenham esta segurança. A gente quer acreditar que as pessoas amam o colégio e querem respeitar este ambiente”, finalizou a diretora.