O pai, que inicialmente negou todas as acusações feitas pela mãe, acabou confessando que agredia a criança junto com a mãe.

Na manhã desta quinta-feira (28), os delegados Fabiano Roberto Mazzaroto Gonçalves e Michele Rocha, receberam a imprensa para falar sobre caso do bebê Hiago Montanholi, que foi espancado na noite de terça-feira e veio a óbito horas depois. A frieza do casal também impressionou os delegados.

Ainda na tarde desta quarta-feira (27), após ouvir peritos do caso e depoimento dos pais, Ana  Carolina Lourenço Montanholi (19) e  Alexandre  Montanholi (23), foi realizada a prisão em flagrante, sendo levados no final da tarde para o Presídio de Andradas.

Os peritos que realizaram a necropsia constataram múltiplas fraturas e traumatismo craniano, decorrente de espancamento que levaram ao óbito do bebê, de apenas três meses.

Em depoimento,  a mãe confessou  que o pai teria batido na criança com tapas e joelhada no abdômen, que o motivo das agressões seria o choro constante do bebê que sofria de cólicas abdominais.  A mãe disse ainda, que tentou tomar o bebê do pai durante as agressões e pediu para que ele parrasse.

Segundo os delegados, a mãe tentou se eximir da responsabilidade, jogando a culpa toda no pai, sendo omissa por não pedir socorro ou denunciar as agressões,  e teria acionado o  Samu apenas à 1h30 da madrugada, sendo que segundo depoimento dela, o marido teria agredido a criança  das 19h às 21h.

As agressões já vinham de algum tempo, porque segundo moradores vizinhos do sítio, já havia denúncias no Conselho Tutelar de Andradas por maus-tratos.

Bebê teria sido espancado por duas horas antes de morrer. Foto redes sociais.

Entenda o caso:

O caso aconteceu em Andradas na madrugada desta quarta-feira (27) em Andradas. O proprietário da Funerária Fênix , Leandro Henrique Antonietto, se recusou a preparar um bebê de três meses para o velório, após suspeitar de maus-tratos. Segundo o agente, a criança apresentava lesões na cabeça e no tórax, e no documento fornecido pela Santa Casa de Andradas, a causa da morte constava como desconhecida.

A Polícia Militar foi acionada para acompanhar o caso e ouviu os pais do bebê. Segundo a Polícia Militar, o Samu foi acionado por volta de 1h30 da manhã, quando a mãe percebeu que a criança não respirava, a mãe disse à PM,  que  estranhou o fato da criança não chorar de fome e ao olhar o bebê, notou que este não estava respirando. Os funcionários do Samu ainda orientaram a mãe a fazer massagem cardíaca até a chegada da equipe no sítio onde a família mora.  O pai ficou aguardando pela equipe do Samu na estrada, para indicar ao local.

Hiago Lourenço Montanholi, de apenas 3 meses,  foi socorrido no  Pronto Atendimento de Andradas.  O médico de plantão disse não ter percebido nenhuma lesão na criança.

Sobre as lesões na cabeça do bebê,  os pais contaram à PM, que a criança teria se ferido na última quarta-feira, (20) quando a mãe penteava o cabelo da criança e o pente teria quebrado, causando uma pequena lesão na cabeça da criança.

O corpo da criança foi  levado para o IML de Poços de Caldas, e o  laudo definitivo deverá ficar pronto em 30 dias. A Polícia Civil já está investigando o  caso, e os pais do bebê prestaram depoimento  na Delegacia Civil de Andradas.

Na tarde desta quarta-feira, o  perito Cabral de Poços de Caldas em entrevista ao Jornal Andradas Hoje,  disse que  a morte se deu em razão de múltiplas fraturas e múltiplos traumatismos, a criança teve ferimentos no crânio e no pulmão, em decorrência de maus-tratos por objeto contundente, a conclusão é de que trata-se de homicídio. Segundo o perito que realizou a necrópsia, a criança tomou várias pancadas pelo corpo.

O pais do bebê, Alexandre Montanholi e Ana Carolina Lourenço Montanholi,  foram presos em flagrante e serão levados para o Presídio de Andradas ainda na tarde desta quarta-feira (27).

Hiago Lorenzo foi enterrado na tarde desta quarta-feira na cidade de Santo Antonio do Jardim, onde moram os familiares da criança.

O pai da criança de 23 anos e a mãe de 19, que moram em um sítio no Bairro da Gramínea, postaram na rede social sobre o falecimento da criança. Internautas hostilizaram o casal com várias mensagens na rede social Facebook.

Os pais da criança ainda lamentaram a morte do filho em rede social.