Alunos voltam às aulas após prefeitura economizar R$ 1 milhão em Andradas — Foto: Reprodução EPTV

O ano letivo para os alunos da rede municipal começou nesta segunda-feira (11) em Andradas (MG). O atraso das aulas foi uma medida da prefeitura por causa dos atrasos nos repasses do governo estadual. Segundo o município, a economia com os dias sem aula foi de quase R$ 1 milhão.

Ao todo, 2,6 mil estudantes da rede municipal de ensino voltaram às aulas em Andradas. “Eu achei que estava demorando demais e ele estava muito ansioso, não via a hora de começar logo”, disse a dona de casa Tamirez Esperança Ramos.

Segundo o município, a dívida do Estado já chega a R$ 15 milhões com a prefeitura. Além de adiar o início das aulas, a prefeitura vai pagar só 50% do transporte universitário aos quase 700 alunos que estudam fora. Antes, esse transporte era pago integralmente pelo município.

A partir de julho, a prefeitura deixará de transportar os alunos da rede estadual que moram na zona rural. Com as medidas, a prefeitura espera economizar cerca de R$ 500 mi

“Os meninos têm que vir pra cidade para estudar e não era obrigatoriedade da prefeitura, governo municipal e sim do governo estadual e como esses repasses não estão sendo passados para a nossa prefeitura, nós ficamos em uma situação dificílima. Então, como boa medida, o prefeito resolveu ficar atendendo esse transporte até o final de junho, depois ele não vai assinar esse convênio com o Estado, aí é da responsabilidade do governo de Minas Gerais”, disse a secretária municipal de Educação, Maria Elvira Ansani Nogueira.

Outra medida tomada pela prefeitura para cortar gastos foi a redução do horário de funcionamento das unidades básicas de saúde e também da policlínica. Desde o início do mês, algumas dessas unidades não funcionam no período da tarde.

“Para quem mora na cidade não é pra tanto, mas pra quem mora na roça, pra eles vai atrapalhar um pouco”, disse a doméstica Rosemeia dos Santos. Segundo a secretária de Saúde, nenhum atendimento deixará de ser feito.

“A gente já vinha observando de longa data que alguns dias da semana não há agendamento, os próprios médicos não têm disponibilidade, então não há a consulta médica no período da tarde, tanto no materno quanto aqui na policlínica. Durante esse período que a gente precisa rever essas despesas, nós aproveitamos para levar essa mudança de horário”, afirmou a secretária municipal de Saúde, Márcia Fernandes de Andrade Gonçalves.

A Secretaria de Educação vai repor as aulas perdidas no começo do ano, cancelando o recesso de julho e a semana do saco cheio, em outubro. Além disso, os alunos terão quatro sábados letivos e dois feriados, que também serão letivos.